Liderança humanizada: diferencial competitivo na era digital__

Por Christine Salomão, jornalista – diretora de conteúdo da ebdi. Liderança humanizada: diferencial competitivo na era tecnológica

A liderança humanizada reconhece que o ser humano é o ativo mais valioso de uma organização. Ao colocar as pessoas no centro dos negócios, as empresas podem criar um ambiente mais saudável, produtivo e sustentável, que beneficia não apenas os colaboradores, mas também os clientes, parceiros e a sociedade como um todo. É uma abordagem que busca o equilíbrio entre o progresso tecnológico e o cuidado com o aspecto humano, garantindo um futuro mais promissor para todos.

E os CEOs desempenham um papel crucial na criação de uma cultura organizacional que valoriza as pessoas e coloca o bem-estar dos colaboradores no centro das decisões estratégicas, o que é um diferencial competitivo. Afinal, líderes que priorizam o ser humano não apenas alcançam resultados financeiros sólidos, mas também constroem organizações resilientes, inovadoras e socialmente responsáveis.

Não é à toa que as organizações regenerativas estão emergindo como uma nova abordagem revolucionária para o sucesso empresarial. Essas empresas não apenas buscam o lucro, mas também têm um profundo compromisso com a criação de um ambiente de trabalho que promova o crescimento pessoal, a segurança psicológica e a mudança positiva.

Mas essa jornada da transformação exige um comprometimento genuíno da liderança, a fim de se construir uma cultura autêntica, inspirar um propósito compartilhado e criar sistemas de apoio ao potencial humano. “A começar que precisamos dar poder de voz aos colaboradores para que eles sintam que realmente fazem parte do negócio”, afirma André Prado, CEO da BBM Logística, ao ministrar palestra no SAB CEO 2023, uma iniciativa da EBDI.

A liderança humanizada coloca a empatia no centro de suas práticas. Os líderes não apenas reconhecem as metas organizacionais, mas também compreendem as necessidades individuais, aspirações e desafios de cada membro da equipe. Essa abordagem não só fortalece os laços entre líderes e colaboradores, mas também promove um senso de pertencimento e valorização.

Outro pilar essencial da liderança humanizada é a transparência nas comunicações. CEOS que adotam essa abordagem, além de transmitirem clareza e honestidade ao passar informações estratégicas, conseguem manter a confiança entre C-level e colaboradores.

Vale ressaltar que diante de um cenário de negócios incerto como o que vivemos hoje, o engajamento do C-leve em torno do propósito da organização é fundamental para fortalecer a identidade da empresa e promover um senso de significado e realização no trabalho.

Principalmente por abrir um canal de comunicação que facilite a troca de conhecimento não somente entre os líderes, mas que escute os colaboradores para que eles possam expor preocupações e novas ideais para o negócio. Por isso, empresas que apostam em uma cultura organizacional centrada no propósito tendem a construir uma liderança extremamente engajada e que busca priorizar pessoas.

Isso porque a liderança humanizada, enraizada na empatia e na transparência das comunicações se tornou uma resposta necessária às demandas do ambiente de trabalho contemporâneo. E à medida que mais líderes reconhecerem a importância de se criar conexões significativas com suas equipes, poderemos antecipar um futuro onde inclusão e diversidade, tolerância ao erro e felicidade no trabalho não serão apenas desejadas, mas essenciais para a longevidade das organizações.

Para se aprofundar sobre esse e outros temas de extrema importância para o crescimento das empresas na era digital, participe do SAB CEO 2024. O Encontro seleto de líderes, uma iniciativa da EBDI, já conta com a participação de 60 presidentes das principais empresas brasileiras. Para mais informações, clique aqui (vagas limitadas).

Gostou deste artigo? Confira mais em nosso blog e compartilhe nas redes sociais!

LinkedIn
Email
Facebook
Twitter