Data Driven Business: um guia elementar para 2020__

Neste guia elementar sobre Data Driven Business, você vai descobrir como uma base de dados sólida, quando analisada e aplicada de forma correta, pode garantir uma posição de vantagem frente à concorrência.

Nas aulas de história, professores ensinavam como os navegadores, desbravando os sete mares, utilizavam os astros como orientação para chegarem ao local pretendido.

Faziam uso da bússola também, mas, ainda assim, fugiam da rota e se perdiam no caminho.

Posteriormente, com a sofisticação da tecnologia, novas formas de identificar o local exato do destino surgiram e, hoje, aplicativos como Google Maps e Waze fazem as vezes de bússola moderna.

E, assim, reduziram-se drasticamente as possibilidades de se perder em uma trajetória.

Toda essa evolução, graças a quem?

Toda essa evolução deve-se graças à concentração do conhecimento e aprimoramento das formas de usar tais informações.

Cruzamos até mesmo o limiar entre o analógico e o digital e “subimos” toda essa sabedoria para a nuvem.

Como resultado, estas informações presentes nos bancos de dados de servidores e empresas são o que move o conceito de Data Driven Business, ou “negócio guiado por dados”.

O que é Data Driven Business?

Basicamente, Data Driven Business conceitua uma estratégia no mundo dos negócios que é guiada por dados para proporcionar visibilidade das possibilidades de um mercado e, assim, delinear estratégias que dialoguem com a companhia.

Em outras palavras, trata-se de dirigir empresas se baseando exclusivamente em dados que auxiliam na tomada de decisão e em abordagens mais acertadas.

pessoas discutindo sobre Data Driven Business - organização de dados

Primordialmente, tamanho volume de informação precisa passar por uma triagem para separar o que é válido daquilo que não é.

Afinal de contas, se perder em um mar de dados (voltamos às referências náuticas, a última, prometo!) não ajuda no bom desempenho da operação.

Mas vale a pena usar Data Driven Business?

A incorporação de dados nos processos e estratégias de negócios traz muitas vantagens, desde insights preditivos até a maior precisão das ações corporativas.

Ao passo que o número de usuários da internet cresce a cada dia, o quantitativo de bits disponíveis para empresas cresce na mesma proporção.

A complexidade de tais dados também é um fator a ser levado em consideração, critério que exige uma infraestrutura que suporte a coleta e a análise destas informações.

Nesse sentido, para aqueles que querem implantar táticas de análise de dados e não são capazes de processar tanta informação, existem plataformas que fornecem soluções baseadas em algoritmos que cruzam grandes quantidades de dados.

Empresas como Neoway, Totvs, Qlink e Zoho oferecem serviços com esse tipo de aplicabilidade, flexionando diversas variáveis em um único raciocínio computacional.

Mão na massa e Data Driven Business em ação!

Hora de arregaçar as mangas.

A seguir, um passo a passo sobre como aplicar a metodologia Data Driven na sua empresa:

Planejamento:

Defina o que medir, como medir e quando medir. 

Primeiramente trace os objetivos e decida quais ações táticas serão necessárias para atingi-los. Decidir o que procurar é fundamental para ingressar em uma procura.

Coleta de dados:

Tudo começa pela seleção daquilo que importa para as estratégias da empresa, uma vez que o cruzamento de dados oriundos de diversas fontes exige essa filtragem.

Mapeamento de métricas:

Levantamento das informações, análise de dados e interpretação dos resultados.

Através de códigos de programação, que muitas vezes combinam automação e IA, criam-se sistemas de sondagem eficientes que validam quais informações são válidas ou não aos objetivos da empresa.

Assim, pode-se ter uma indicação clara dos números do negócio e fazer a métrica de performance mais assertiva.

Disponibilização dos resultados:

Com a finalidade de fazer uso da capacidade analítica da sua equipe, exponha os resultados.

Aplicação das respostas da base de dados:

Fase de implementação das pesquisas, quão logo os resultados forem obtidos; a rapidez, nesse caso, é imprescindível – a agilidade exigida pelo mercado precisa ter correspondência com as deliberações internas da empresa.

Sete passos para introduzir a cultura de dados na sua organização:

Muito se fala em cultura de dados, termo também conhecido como Data Driven Culture. Mas o que essa expressão significa? Nada mais é do que a cultura empresarial que valoriza a busca de dados para ajustar estratégias e objetivos da empresa.

A adoção dessa metodologia precisa seguir um roteiro para a obtenção de indicadores, resultado que influencia positiva ou negativamente a progressão para uma meta.

Determine seus objetivos: toda empresa que toma decisões baseadas em dados precisa coletar estas informações com uma estratégia definida de propósito.

Defina uma arquitetura de informação orientada a dados: concentre-se em implantar uma infraestrutura capaz de mapear as capacidades de tecnologia para os objetivos do negócio, como a implantação de plataformas de Big Data e Analytics, por exemplo. 

Salvo que tais implementações precisam ser alcançáveis a curto prazo e flexíveis o suficiente para se ajustar às mudanças rápidas exigidas pelo setor.

Crie uma sistemática padronizada de coleta e enriquecimento: os dados, oriundos de fontes de alta qualidade para que sejam consistentes, precisos e confiáveis, devem ser coletados e enriquecidos sistematicamente. 

Decerto que o processamento exige também alta velocidade, a adoção de alguns sistemas de gestão, como RP (Enterprise Resource Planning), CRMs (Customer Relationship Management) e Relatórios Operacionais, são soluções oportunas para esta empreitada.

Saiba como coletar os dados e quais usar: nesta etapa, são feitas análises exploratórias e descritivas dos dados. 

E é desta análise que resultam os indicadores de desempenho que precisam ser prontamente disponíveis, compreensíveis e transparentes para processos posteriores.

Está gostando? Confira os últimos 3 passos:

Defina como os dados contribuirão para decisões acionáveis e com que frequência serão necessários: etapa de geração automática de recortes, a fim de realizar análises preditivas e prescritivas. 

Aqui há a definição de decisões estratégicas, baseadas em métricas estatísticas seguras.

Verifique como realizar o empacotamento e o tratamento de dados: na gestão orientada a dados, esta etapa compreende as decisões executadas de modo automático ou semiautomático via mecanismos de inteligência artificial.

Faça a tradução das informações colhidas para tornar os pontos de dados mais tangíveis: para fazer previsões mais assertivas, identificar vantagens competitivas e dar apoio às decisões de negócio, faz-se necessário filtrar e extrair valor dos dados, estruturados ou não para o planejamento estratégico da sua empresa.

Entendeu o que é o Data Driven Business?

Em resumo, vimos como o Data Driven Business propicia decisões baseadas em dados, dando às empresas condições de extrair informações muito úteis para crescer.

E aí, achou esse conteúdo relevante? Então fique de olho em nosso site, aproveite outros textos e faça sua empresa alcançar novos patamares de mercado.

Caso você já tenha conhecimentos mais avançados e queira discutir com outros executivos de mercado confira, também, o nosso encontro de Governança de Dados.

Share on linkedin
Share on email
Share on facebook
Share on twitter