CSCs: catalisadores de transformação e inovação nas empresas__

Por Christine Salomão, jornalista – diretora de conteúdo da ebdi. CSCs: catalisadores de transformação e inovação nas empresas.

Nos últimos anos, os Centros de Serviços Compartilhados (CSCs) têm se destacado como catalisadores de transformação e inovação nas empresas. Afinal, ao adquirirem maturidade, os CSCs encontram na transformação digital um caminho natural para a geração de novos negócios.  Por isso, empresas que priorizam a melhoria contínua em seus CSCs estão mais bem posicionadas para atender às crescentes demandas do mercado, reduzir custos operacionais e impulsionar a satisfação do cliente.

Mas para alcançar uma melhoria contínua eficaz, é fundamental adotar uma abordagem estratégica e integrada. Isso envolve a implementação de práticas como revisão regular de processos, identificação de áreas de ineficiência, adoção de tecnologias inovadoras, e desenvolvimento constante das habilidades da equipe. Além disso, a coleta e análise de dados são essenciais para avaliar o desempenho atual e identificar oportunidades futuras.

Afinal, a evolução do CSC maduro para um Centro de Excelência Digital não implica apenas na modernização de infraestrutura e processos, mas na adoção de uma mentalidade orientada para a digitalização integral.  Ou seja, uma abordagem holística que permeia todos os aspectos da operação. A começar pela compreensão de que a tecnologia não é apenas uma ferramenta, mas sim um habilitador estratégico que impulsiona a inovação e a eficiência em todos os níveis.

E dentro desse contexto, os colaboradores devem adotar uma mentalidade ágil, estando dispostos a abraçar mudanças e aprender constantemente para acompanhar as rápidas evoluções digitais. Além disso, a colaboração torna-se fundamental nesse processo. Um Centro de Excelência Digital promove a quebra de silos internos, incentivando a colaboração entre equipes, departamentos e até mesmo com parceiros externos. Isso permite a troca de conhecimento e experiências, acelerando a resolução de desafios e a implementação de soluções inovadoras.

A cultura organizacional desempenha um papel crucial na evolução do CSC, pois a jornada exige que a liderança valorize a experimentação, a tolerância ao erro e a busca contínua por melhorias. Isso cria um ambiente propício para a inovação, onde os colaboradores se sentem encorajados a propor ideias disruptivas e a contribuir para o crescimento digital da organização.

Mas o grande desafio hoje das empresas é justamente criar uma relação mais humanizada com os colaboradores frente às novas tecnologias. Tanto que a consultoria americana McKinsey sinaliza que 70% das transformações digitais falham de maneira recorrente por falta de engajamento da organização, tanto dos funcionários como da liderança.

Já quando há envolvimento dos funcionários na transformação digital, ainda de acordo com a pesquisa realizada pela consultoria, “as probabilidades de êxito aumentam em 1,4 vezes; enquanto quando há o engajamento de líderes, configurando a mudança cultural, as chances saltam para 1,5 vezes”. O que sinaliza que as pessoas são o principal ativo de qualquer negócio.

Por isso, a implementação de programas de treinamento contínuo, mentoring e desenvolvimento de liderança torna-se essencial nos CSCs modernos, destacando o comprometimento das empresas em proporcionar oportunidades de crescimento profissional.

Ao priorizar o capital humano, os CSCs não apenas melhoram a satisfação e a retenção de funcionários, mas também elevam o nível de excelência operacional. Essa tendência reflete uma compreensão crescente de que o verdadeiro diferencial competitivo não está apenas na tecnologia ou nos processos, mas na força e na habilidade das pessoas que impulsionam esses elementos.

Profissionais motivados e bem treinados são mais propensos a alcançar metas, superar desafios e contribuir significativamente para os objetivos estratégicos da organização. Por isso, a importância de se investir em programas de treinamento e conscientização para aprimorar a eficiência operacional e promover o desenvolvimento contínuo da equipe do CSC.

Vale destacar que o treinamento em novas tecnologias é crucial, pois garante que os colaboradores do CSC estejam atualizados com as ferramentas mais recentes, incorporando sessões práticas para uma aplicação efetiva no ambiente de trabalho.

Além disso, a conscientização sobre segurança cibernética desempenha um papel crucial na proteção de dados sensíveis. Programas que simulam ameaças cibernéticas, como phishing, e exercícios de resposta a incidentes ajudam a fortalecer a resiliência da equipe contra possíveis ataques.

O desenvolvimento de habilidades interpessoais também é fundamental. Treinamentos focados em comunicação eficaz, trabalho em equipe e resolução de conflitos promovem um ambiente de trabalho colaborativo, melhorando a eficiência operacional e fortalecendo a coesão da equipe.

Uma abordagem hands-on e experiencial, envolvendo estudos de caso e simulações práticas, também é eficaz, pois proporciona aos colaboradores a oportunidade de aplicar diretamente o conhecimento adquirido. Isso não apenas consolida o aprendizado, mas também prepara a equipe para enfrentar desafios do mundo real.

Agora, a promoção de uma cultura de aprendizado contínuo é um aspecto-chave. Estimular a busca constante por oportunidades de desenvolvimento profissional, seja por meio de programas de mentoria, coaching ou cursos adicionais, contribui para uma equipe mais qualificada e adaptável.

Já a avaliação regular de competências e desempenho é essencial para medir o progresso individual e identificar áreas de aprimoramento. Vincular os programas de treinamento aos objetivos estratégicos do CSC assegura que o desenvolvimento de habilidades esteja alinhado com as metas da organização.

Incentivos para a participação ativa em programas de treinamento, como reconhecimento público, promoções ou benefícios adicionais, também são de extrema importância, pois motivam os colaboradores a se engajarem plenamente. Sendo que a customização de treinamentos de acordo com as necessidades individuais e coletivas da equipe garante uma abordagem mais eficaz.

Outro ponto importante é o acompanhamento pós-treinamento, que é crucial para garantir que as habilidades adquiridas sejam aplicadas efetivamente no ambiente de trabalho. Além de contribuir para a melhoria contínua dos programas de treinamento, proporcionando resultados duradouros para o CSC e a organização como um todo.

À medida que as empresas reconhecem a importância de integrar a sustentabilidade em todas as áreas de operação, os CSCs se tornam  peças-chave na promoção de práticas de negócios responsáveis, que visam não apenas a eficiência operacional, mas a minimização do impacto ambiental e social.

Por isso,  o compromisso com práticas sustentáveis não é apenas uma escolha ética, mas uma estratégia inteligente para empresas que buscam prosperar de maneira duradoura em um ambiente de negócios globalizado. Dentre as abordagens mais relevantes, destacam-se:

Eficiência energética e redução de resíduos: CSCs podem adotar medidas para otimizar o consumo de energia e reduzir resíduos, seja implementando práticas de impressão consciente, utilizando tecnologias energeticamente eficientes ou promovendo a reciclagem.

Uso de tecnologias verdes: a incorporação de tecnologias sustentáveis, como servidores eficientes energeticamente e sistemas de refrigeração ambientalmente amigáveis, pode contribuir significativamente para a redução da pegada de carbono dos CSCs.

Trabalho remoto e mobilidade sustentável: a promoção do trabalho remoto não apenas contribui para a redução das emissões de carbono relacionadas a deslocamentos, mas também favorece a qualidade de vida dos colaboradores. A implementação de políticas de mobilidade sustentável para aqueles que necessitam se deslocar fisicamente também é uma opção a ser considerada.

Transparência e relatórios sustentáveis: a divulgação transparente das práticas sustentáveis adotadas pelos CSCs é crucial. Isso não apenas fortalece a reputação da empresa, mas também incentiva a responsabilidade social corporativa.

Colaboração com fornecedores sustentáveis: a escolha de parceiros e fornecedores alinhados com valores sustentáveis contribui para a construção de uma cadeia de suprimentos mais ética.

Inovação sustentável: a busca constante por soluções inovadoras que aliam eficiência operacional à sustentabilidade é essencial. Isso pode incluir a adoção de tecnologias emergentes, como blockchain para rastreabilidade sustentável ou a implementação de processos de inteligência artificial para otimização de recursos.

Automação de Processos Robóticos (RPA):

  • Implementação de bots para executar tarefas rotineiras e repetitivas, aumentando a eficiência e reduzindo erros humanos.
  • Integração de RPA com sistemas existentes para melhorar a interoperabilidade.

Analytics e Business Intelligence (BI):

  • Utilização de ferramentas analíticas para extrair insights valiosos dos dados do CSC.
  • Geração de relatórios e dashboards para monitorar o desempenho e identificar áreas de melhoria.

Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning (ML):

  • Implementação de algoritmos de aprendizado de máquina para prever padrões, otimizar processos e melhorar a tomada de decisões.
  • Chatbots para atendimento ao cliente e suporte interno.

Gestão de documentos eletrônicos:

  • Digitalização de documentos e implementação de sistemas de gerenciamento de documentos para reduzir a dependência de papel.
  • Uso de tecnologias de reconhecimento óptico de caracteres (OCR) para extrair informações de documentos.

Plataformas de colaboração:

  • Implementação de ferramentas de colaboração para melhorar a comunicação interna e a colaboração entre equipes.
  • Sistemas de gerenciamento de projetos para otimizar o acompanhamento e a execução de tarefas.

Gestão de processos de negócios (BPM):

  • Implementação de sistemas BPM para modelar, automatizar e otimizar processos de negócios.
  • Monitoramento em tempo real para identificar gargalos e áreas de melhoria.

Segurança da Informação:

  • Implementação de medidas robustas de segurança cibernética para proteger dados confidenciais e garantir conformidade regulatória.
  • Utilização de autenticação multifatorial e criptografia para proteger o acesso a sistemas críticos.

Mobilidade e trabalho remoto:

  • Facilitação do trabalho remoto por meio de tecnologias móveis e acesso seguro a sistemas a partir de dispositivos externos.
  • Implementação de soluções de videoconferência e colaboração online para suportar equipes distribuídas.

Soluções de Nuvem:

  • Migração de serviços para a nuvem para aumentar a escalabilidade, flexibilidade e reduzir custos operacionais.
  • Utilização de serviços de nuvem para armazenamento e processamento de dados.

À medida que os CSCs rumam para Centros de Excelência Digitais, a Inteligência Artificial se torna a espinha dorsal dessa evolução, capacitando as organizações para que alcancem novos patamares de eficiência, agilidade e qualidade. Essa transição não apenas redefine os processos operacionais, mas reconfigura o papel estratégico dos CSCs, tornando-os catalisadores essenciais para o sucesso empresarial na era digital.

Afinal, a capacidade da IA em automatizar inteligentemente tarefas repetitivas e rotineiras nos CSCs permite a execução de processos transacionais e operações de back-office com maior precisão e eficiência. E, consequentemente, libera os profissionais para se concentrarem em atividades mais estratégicas e de maior valor agregado.

Além disso, a IA facilita a análise preditiva e prescritiva, possibilitando a previsão de tendências e a identificação de oportunidades de melhoria nos processos. Isso não apenas antecipa desafios potenciais, mas permite a implementação proativa de soluções, transformando os CSCs em centros capazes de se adaptar rapidamente às mudanças no ambiente de negócios.

Outro benefício é que a implementação de chatbots e assistentes virtuais baseados em IA melhora significativamente a interação com os clientes nos CSCs. A IA capacita essas ferramentas a entender e responder às consultas de maneira mais precisa e rápida, proporcionando uma experiência aprimorada para os usuários finais.

A IA também contribui para a otimização da cadeia de valor nos CSCs, desde a gestão de fornecedores até a entrega de serviços. Algoritmos avançados ajudam na identificação de eficiências operacionais, redução de custos e aumento da qualidade, resultando em um Centro de Excelência Digital altamente eficaz.

A cibersegurança nos CSCs emerge como uma prioridade inegável em um cenário empresarial cada vez mais digitalizado. Embora esses centros ofereçam eficiência operacional, a interconexão de processos também amplia os desafios de proteger dados sensíveis e informações críticas.

Por isso, a segurança cibernética nos CSCs requer uma abordagem abrangente, começando com uma avaliação rigorosa de riscos. Para desenvolver estratégias eficazes de proteção, é preciso identificar ativos críticos, potenciais vulnerabilidades e ameaças específicas.

Estabelecer políticas claras de segurança cibernética também é fundamental. Isso inclui diretrizes para o acesso a dados, proteção contra malware e gestão de senhas.  A criação de backups regulares e planos de recuperação de desastres é outra medida preventiva vital, pois garante a capacidade de recuperar dados críticos em caso de incidentes de segurança, minimizando perdas.

A colaboração de especialistas em segurança cibernética também tem sido benéfica para os Centros maduros diante da constante evolução das ameaças. Parcerias estratégicas, participação em comunidades de compartilhamento de ameaças e investimentos em tecnologias de ponta fortalecem a postura de segurança dos CSCs.

Além disso, as empresas também precisam garantir a conformidade com regulamentações de segurança cibernética, não apenas para evitar implicações legais, mas para adotar padrões reconhecidos de segurança nos CSCs.

A transição do CCS maduro para um Centro de Excelência Digital será marcada por uma contínua evolução e transformação, tendo como pilares: business intelligence, robotização e integração das áreas.

Afinal, os impactos dos avanços tecnológicos contínuos no business intelligence contribuirá para que os CSCs se tornem verdadeiros hubs de análise de dados devido ao poder de coletar, organizar e analisar uma quantidade crescente de informações. O que proporciona insights valiosos para as organizações.

Como resultado, os CSCs poderão tomar decisões mais informadas e estratégicas, impulsionando a eficiência operacional e o crescimento dos negócios. Já a  robotização desempenha um papel fundamental na otimização dos processos dos CSCs.

Isso porque a automação de tarefas repetitivas e rotineiras permite que os profissionais se concentrem cada vez mais em atividades de maior valor agregado, como análise de dados, resolução de problemas complexos e interações com os clientes.

Outro benefício é que a robotização, além de aumentar a eficiência dos CSCs, reduzindo erros e tempos de processamento, tende a melhorar muito a experiência do cliente ao agilizar as transações e fornecer respostas rápidas e precisas. Agora, a integração das áreas será um elemento-chave para o futuro dos CSCs, que  deixarão de ser vistos como departamentos isolados e se tornarão partes integrantes de toda a organização.

A seguir, tendências que continuarão em alta nos próximos anos:

Automatização avançada: a automação de processos repetitivos e rotineiros continuará a evoluir com o uso de Inteligência Artificial (IA), aprendizado de máquina e automação robótica de processos (RPA). Isso ajudará a aumentar a eficiência e a reduzir erros nos processos de CSC.

Análise preditiva e Big Data: o uso de análise preditiva e big data é fundamental para ajudar os CSCs na antecipação de demandas, além de identificar padrões e otimizar operações. O que permite uma tomada de decisão mais informada e estratégica.

Inteligência Artificial e Machine Learning: a IA e o aprendizado de máquina são essenciais  para melhorar a precisão na tomada de decisões, oferecer insights valiosos e aprimorar a experiência do cliente no CSC.

Serviços multicanal e experiência do cliente: os CSCs podem evoluir para oferecer suporte em vários canais, como chatbots, redes sociais, e-mail e telefone. A ênfase na experiência do cliente será crucial, buscando proporcionar interações mais personalizadas e eficazes.

Blockchain para transparência e segurança: a tecnologia blockchain continuará a ser adotada para garantir a transparência, integridade e segurança nas transações comerciais e processos dentro do CSC.

Foco em sustentabilidade: a sustentabilidade ambiental e social se tornará prioridade para os CSCs do futuro. A otimização de processos para reduzir desperdícios, o uso eficiente de recursos e a responsabilidade social corporativa podem ser incorporados nas operações do CSC.

Modelos de negócios baseados em assinatura: à medida que as empresas buscam flexibilidade e agilidade, os CSCs podem evoluir para modelos de negócios baseados em assinatura, oferecendo serviços escaláveis de acordo com as necessidades das empresas.

Colaboração global e virtual: com o avanço nas tecnologias de comunicação, os CSCs podem se tornar mais globalizados e virtualizados, permitindo que equipes trabalhem de forma colaborativa em diferentes partes do mundo.

Segurança cibernética reforçada: com o aumento das ameaças cibernéticas, os CSCs precisarão investir pesado em tecnologias avançadas de segurança cibernética para proteger dados sensíveis e garantir a confiança dos clientes.

E para se aprofundar sobre esses temas, participe do SAB Shared Services 2024. Realizado pela EBDI, o Encontro, uma imersão de 3 dias, reunirá os principais líderes de CSCs do País. Para mais informações, clique aqui (vagas limitadas).

Gostou deste artigo? Confira mais em nosso blog e compartilhe nas redes sociais!

LinkedIn
Email
Facebook
Twitter